quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Bem-vindos ao PEC 3



Estas são apenas algumas das medidas de austeridade que o Governo propõe para o Orçamento de Estado de 2011 e para o reforço da execução orçamental de 2010.

Perante o anúncio do Governo, que apenas irá agravar as já precárias condições socio-económicas da maioria da população, alguém tem dúvidas de que uma das respostas imediatas deverá passar por uma GREVE GERAL?




terça-feira, 28 de setembro de 2010

sábado, 25 de setembro de 2010

Entre nós e as palavras # 3



Da gordura que tens hoje
A razão eu logo vi:
Não entraste tu no tacho,
O tacho é que entrou em ti.

                                                             A. C. Cuza

(Tradução: Doina Zugravescu)


Ópera Bufa



O Sr. Silva Pereira revelou que as negociações mantidas entre o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho, que garantiriam a aprovação do Orçamento de Estado, haviam falhado.

O Sr. Passos Coelho, que sempre garantiu não existirem encontros secretos com o Sr. Sócrates, fica furioso e jura a pés juntos que não aprovará um novo aumento de impostos e, consequentemente, o Orçamento.

O Sr. Sócrates diz que o Sr. Silva Pereira apenas revelou publicamente o que havia sido previamente acordado como Sr. Passos Coelho.

O Sr. Sócrates revela que o Governo poderá demitir-se se o Sr. Passos Coelho não viabilizar o Orçamento.

O Sr. Soares, essa espécie de auto-coroado rei da democracia portuguesa e personagem secundária nesta intriga, apela a que o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho cheguem a um entendimento.

O Sr. João Jardim e o Sr. Santana Lopes, os habituais bobos de serviço, fazem declarações bombásticas a quem ninguém dá grande importância.

O Sr. Passos Coelho diz que nunca mais falará a sós com o Sr. Sócrates.

O Sr. Sócrates diz que as declarações do Sr. Passos Coelho são inadmissíveis e, por sua vez, o Sr. Passos Coelho diz que as declarações do Sr. Sócrates são inadmissíveis.

O Sr. Cavaco Silva, em mais uma acção de campanha eleitoral, convoca todos os partidos para discutir o problema criado pelo Sr. Sócrates e pelo Sr. Passos Coelho.

O Sr. Medina Carreira grita, em repeat, que “Portugal vai bater na parede” e chama mentirosos ao Sr. Sócrates e ao Sr. Passos Coelho.

O Sr. Rebelo de Sousa, que tem sempre opinião sobre tudo e sobre todos mas que nunca fundamenta verdadeiramente nada, apela a que o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho cheguem a um entendimento.

Os mais reputados economistas e comentadores, alguns dos quais também peritos em comentário desportivo, garantem que o FMI está quase a aterrar no Figo Maduro e pedem um entendimento urgente entre o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho.

Os jornais e as televisões não param de esmiuçar todos os detalhes da desavença entre o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho, ao mesmo tempo que garantem que aprovação do Orçamento irá mesmo acontecer

… Enquanto o Sr. Cavaco Silva, o Sr. Sócrates e o Sr. Passos Coelho alinham os detalhes para os próximos episódios, o pessoal, que já vê enredos de má qualidade há muito tempo e já está habituado a péssimos actores, percebe que o Orçamento irá mesmo ser aprovado, que a sua vida estará cada vez mais lixada e que tudo isto não passa de uma encenação de muito má qualidade.

Cinematógrafo do Reviralhos # 2


Nuit et Brouillard - Noite e Nevoeiro (1955)
 




Título: Nuit et Brouillard - Noite e Nevoeiro (1955)

Realização: Alain Resnais

Argumento: Jean Cayrol

Narrador: Michel Bouquet

Duração: 31 minutos


 

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Teresa Lewis, 41 anos


Qual a diferença entre uma mulher condenada à morte no Irão e nos Estados Unidos?

Qual a diferença entre uma injecção letal e um apedrejamento?

Qual a diferença entre um condenado à morte num dos 35 estados americanos que ainda têm pena capital e um condenado à morte em Teerão?

Qual a diferença entre Teresa Lewis e Sakineh Mohammad Ashtiani?

Qual a diferença entre uma execução nos Estados Unidos, no Irão, na China, na Arábia Saudita, no Paquistão ou em qualquer outro dos países onde existe pena de morte?

Qual é a diferença quando a barbárie é a mesma?



(imagem da autoria de Mykaïa, retirada aqui)


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Relatório da ONU diz que há provas para acusar Israel de crimes internacionais


A missão de inquérito do Conselho de Direitos Humanos da ONU concluiu que o ataque do exército israelita à frota humanitária que se dirigia para a Faixa de Gaza foi “desproporcionado” e de “uma violência incrível e desnecessária”.


Recorde-se que o ataque, ocorrido a 31 de Maio, provocou a morte de 9 activistas que se encontravam a bordo de uma das embarcações. O objectivo da frota era levar ajuda humanitária até à Faixa de Gaza e, simultaneamente, protestar contra o bloqueio que Israel mantém a este território.
 

O discurso de Isabel Alçada - versão 2.0


Quando um político medíocre se presta a cenas risíveis, como a protagonizada pela Ministra da Educação, fica sujeito a isto:

Crise, qual crise?



Segundo a mesma notícia, apesar de ir ganhar menos de um terço do que Carlos Queirós, Paulo Bento receberá mensalmente mais de 64 mil euros...

Num país com mais de 600 mil desempregados e com milhares de pessoas a verem as suas prestações sociais reduzidas e mesmo cortadas, ninguém tem nada a dizer sobre esta notícia?

O lobby será assim tão poderoso que ninguém tem coragem para o enfrentar? Estaremos todos condenados a confundir um país com um campo de futebol? Será a selecção mais um dos inquestionáveis interesses nacionais e, como tal, imune a críticas e sujeita ao unanimismo?

Estaremos a ser demagógicos ou existirá algum motivo que justifique, da esquerda à direita, este silêncio conivente?


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Lido por aí... # 2



As políticas de Sarkozy e a recente chegada do SD ao parlamento sueco têm deixado a direita e a extrema-direita exultantes. Basta passar os olhos pelas caixas de comentários dos meios de comunicação social e dos blogues para percebermos ao que esta gente vem e o que propõe, regra geral com "argumentos" que não passam de insultos a quem pensa de forma diametralmente oposta à sua.

Estes arautos da Europa "pura e branca", começam também a florescer nos blogues referência da direita portuguesa (que nos abstemos de nomear), o que demonstra que também por cá, tal como em França, a direita se começa a apropriar da agenda da extrema-direita, integrando-a no seu discurso político.

Sobre este assunto gostaríamos de destacar a lucidez e inteligência com que Daniel Oliveira,  no texto "Racista, eu?" (publicado no Arrastão e no Expresso Online), desconstrói as generalizações que habitualmente sustentam os discursos racistas e xenófobos:

Quero deixar aqui claro que não sou racista. Não me deixo é calar pela hipocrisia do politicamente correcto. E quem pode negar que os ciganos roubam, vivem à conta do Estado, não cumprem as leis e não querem trabalhar? Que batem em médicos e professores, andam armados e traficam droga? Que casam as filhas com 12 anos e só as metem na escola para receber o rendimento mínimo?

Não sou racista. Mas como pode o politicamente correcto dizer que os muçulmanos em geral e os árabes em particular não professam uma religião violenta, não são intolerantes e não desrespeitam os direitos das mulheres? Que não simpatizam com o terrorismo? Que não querem destruir a forma de viver do Ocidente? Que não abusam da nossa tolerância?

Não sou racista. Mas há alguém que não veja que são quase sempre os africanos que nos assaltam nas ruas, que entram aos magotes nos comboios da linha de Sintra e palmam tudo o que encontram? Que querem andar com bons ténis e para isso não hesitam em ficar com o que não lhes pertence? Que não sabem governar os seus próprios países e é por isso que emigram aos milhões?

Não sou racista. Mas não reparam que os chineses nos enchem o mercado de produtos baratos, destroem a nossa economia e o comércio tradicional e nunca se integram na sociedade nem têm qualquer contacto com os portugueses? Que eles sim, é que são racistas?

Eu não sou racista. Mas ao ler os parágrafos anteriores, que repetem as certezas populares que por aí se ouvem, misturando generalizações, mentiras e verdades, sempre na ânsia de encontrar o Inferno nos outros, não serei obrigado a concluir que, com excepção dos brancos, o mundo é composto por criminosos e parasitas?

Sei que a ironia passa mal. Esperemos que desta vez passe tão bem como as alarvidades que por aí se ouvem. E tão bem como esse mito que diz que Portugal é um país de brandos costumes que sempre conviveu bem com a diversidade. Este país onde toda a gente "até tem um amigo preto" que lhe serve de álibi que prove a sua tolerância para depois poder dizer tudo o que lhe venha à cabeça.

Para além do texto de Daniel Oliveira, e ainda sobre este assunto, não resistimos a linkar o excelente post "Europeus a menos?", publicado no blogue Entre as brumas da memória.
O post de Joana Lopes, na sua concisão e contundência, é uma verdadeira arma de arremesso contra a intolerância que se dissemina um pouco por toda a Europa e que, também nós, não nos cansaremos de combater.
 
 

Qual o tamanho do teu cérebro?

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

O ovo da serpente


O pior dos cenários concretizou-se.
Não só a direita ganhou as eleições como se confirmou a entrada da extrema-direita no parlamento sueco.

Para onde caminha a Europa?



(o título do post foi roubado ao filme, com o mesmo nome, do realizador sueco Ingmar Bergman - a imagem foi retirada aqui)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Reviralhos Sound System # 8 (edição especial)



Dead Can Dance - "The Host Of Seraphim" (1988)


 


Mazzy Star - "Fade Into You" (1993)


 


Craig Armstrong (featuring Elizabeth Fraser) - "This Love" (1998)


 


Goldfrapp - "Lovely Head" (2000)


 


Rufus Wainwright - "Cigarettes and Chocolate Milk" (2001)


A Esquerda que (não) temos...



Quando apenas um deputado do PS vota favoravelmente o voto de condenação à expulsão de cidadãos ciganos em França proposto pelo Bloco de Esquerda,  inviabilizando dessa  forma  a sua  aprovação  no parlamento,  ficamos perfeitamente esclarecidos quanto ao posicionamento ideológico do grupo parlamentar do partido do governo.

Quando apenas quinze deputados do PS e um do PSD se abstêm numa matéria desta natureza, ficamos perfeitamente esclarecidos quanto ao posicionamento ideológico dos grupos parlamentares do "bloco central".

Quando nada mais nos resta do que a profunda indignação, fazemos questão em reproduzir, para memória futura, o texto que foi alvo de votação em plenário e que a auto-proclamada "esquerda democrática", aliada ao PSD e ao CDS, vergonhosamente chumbou:

Voto de condenação pelas acções levadas a cabo pelo Governo francês que visam a expulsão de cidadãos ciganos

Estima‐se que desde o inicio do ano a França tenha expulsado do seu território mais de oito mil cidadãos ciganos, em consequência da decisão do Governo francês de promover o desmantelamento dos acampamentos da população cigana no país e de forçar a sua repatriação.

Desde o final do passado mês de Agosto, o mundo assistiu a um recrudescimento destas acções de expulsão, que surgem na sequência do discurso pronunciado em Julho passado, pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, em que anunciou um novo endurecimento da política migratória no país.

Considerando:

Que o direito de todos os cidadãos da União e dos membros de suas famílias de circular e residir livremente em toda a UE constitui um pilar da cidadania europeia;

Que as recentes medidas adoptadas pelas autoridades francesas em relação à população cigana estão envoltas em justificações abertamente discriminatórias, que caracterizam o discurso político do Governo francês ao longo de todo este processo de repatriamentos de ciganos, conferindo credibilidade a declarações racistas e xenófobas e a acções de grupos da extrema‐direita;

Que a Organização das Nações Unidas (ONU) denunciou que as recentes expulsões foram feitas “sem consentimento livre e esclarecido” e pediu às autoridades francesas que “evitem particularmente os repatriamentos colectivos”;

Que o Comité para a Eliminação da Discriminação Racial da ONU apelou à França para que procure integrar os membros da maior minoria étnica na União Europeia, que agrega cerca de dez milhões de pessoas;

Que o Parlamento Europeu aprovou uma resolução, apresentada conjuntamente pelos grupos Socialista, Liberal, Verdes e Esquerda Unitária (GUE/NGL), que pede ao Governo francês que “suspenda imediatamente todas as expulsões de ciganos" na França;

Que a Comissária europeia da Justiça, Viviane Reding, ameaçou avançar com uma acção judicial contra a França, na sequência da política do Governo de Paris de expulsão dos ciganos romenos e búlgaros. Em declarações feitas no passado dia 14 de Setembro, Viviane Reding, classificou o comportamento do país como uma "desgraça" e “uma vergonha”, e afirmou estar “pessoalmente convencida de que não restará à Comissão Europeia outra alternativa para além de iniciar os procedimentos de infracção contra a França”, relativamente a esta matéria.

A Assembleia da República, reunida em plenário:

1. Associa‐se à condenação expressa pelo Parlamento Europeu, considerando que estas expulsões violam os tratados e a legislação comunitária.

2. Apela ao Governo francês para que suspenda imediatamente todas as acções que visam a expulsão e repatriamento da população cigana residente em França.

3. Associa‐se às iniciativas que visam travar as acções promovidas pelo Governo Francês, incluindo os procedimentos de infracção que venham a ser tomados no âmbito da União Europeia.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

E se não é um problema de racismo, é um problema de quê?



Passos Coelho afirma-se convicto de que a expulsão de ciganos de França “não se trata de um problema de racismo” e espera “que ele nunca seja encarado como tal”.

Já havíamos percebido que o líder do PSD é um impreparado político, o que ainda não sabíamos é que a sua imbecilidade poderia raiar o absurdo.

O que o líder do PSD desconhece, ou omite voluntariamente, é a existência de uma circular que refuta completamente as suas afirmações e que demonstra que esta é, e sempre será, exactamente uma questão de racismo e xenofobia.





Hoje tornou-se ainda mais claro onde se posiciona Passos Coelho. Quem profere estas afirmações toma claramente partido por Sarkozy e pelos seus aliados da extrema-direita.  Quem hoje está com Sarkozy, ontem estaria com Pétain...


(mais informações no site do Le Monde)


quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Algo que gostaríamos de ter visto também por cá...



Enquanto que em Portugal as "personalidades" da cultura e da ciência foram prestar vassalagem a Bento XVI, no "célebre" encontro do CCB, no Reino Unido 50 personalidades fizeram questão de dar as "boas-vindas" ao Papa, através de uma carta publicada hoje no jornal  Guardian:

We, the undersigned, share the view that Pope Ratzinger should not be given the honour of a state visit to this country. We believe that the pope, as a citizen of Europe and the leader of a religion with many adherents in the UK, is of course free to enter and tour our country. However, as well as a religious leader, the pope is a head of state, and the state and organisation of which he is head has been responsible for:

Opposing the distribution of condoms and so increasing large families in poor countries and the spread of Aids.

Promoting segregated education.

Denying abortion to even the most vulnerable women.

Opposing equal rights for lesbians, gay, bisexual and transgender people.

Failing to address the many cases of abuse of children within its own organisation.

The state of which the pope is head has also resisted signing many major human rights treaties and has formed its own treaties ("concordats") with many states which negatively affect the human rights of citizens of those states. In any case, we reject the masquerading of the Holy See as a state and the pope as a head of state as merely a convenient fiction to amplify the international influence of the Vatican.

Stephen Fry, Professor Richard Dawkins, Professor Susan Blackmore, Terry Pratchett, Philip Pullman, Ed Byrne, Baroness Blackstone, Ken Follett, Professor AC Grayling, Stewart Lee, Baroness Massey, Claire Rayner, Adele Anderson, John Austin MP, Lord Avebury, Sian Berry, Professor Simon Blackburn, Sir David Blatherwick, Sir Tom Blundell, Dr Helena Cronin, Dylan Evans, Hermione Eyre, Lord Foulkes, Professor Chris French, Natalie Haynes, Johann Hari, Jon Holmes, Lord Hughes, Robin Ince, Dr Michael Irwin, Professor Steve Jones, Sir Harold Kroto, Professor John Lee, Zoe Margolis, Jonathan Meades, Sir Jonathan Miller, Diane Munday, Maryam Namazie, David Nobbs, Professor Richard Norman, Lord O'Neill, Simon Price, Paul Rose, Martin Rowson, Michael Rubenstein, Joan Smith, Dr Harry Stopes-Roe, Professor Raymond Tallis, Lord Taverne, Peter Tatchell, Baroness Turner, Professor Lord Wedderburn of Charlton QC FBA, Ann Marie Waters, Professor Wolpert, Jane Wynne Willson



Se não fosses idiota, o que gostarias de ter sido? (parte IV)



Metodologia para transmitir uma mensagem de forma eficaz: 
  • camuflar um discurso idiota e desconexo com muita expressividade corporal
  • abrir muito os olhos e a boca para dar ênfase a algumas ideias
  • infantilizar o destinatário da mensagem
  • utilizar uma linguagem coloquial, preferencialmente de forma incorrecta
  • colocar um ar muito inteligente e convicto, mesmo que já não se saiba o que se está a dizer
Se seguires estas instruções, talvez um dia chegues a Ministra(o) da Educação.


terça-feira, 14 de setembro de 2010

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades


1969 - Alberto Martins, então presidente da Associação Académica de Coimbra e actual Ministro da Justiça, interrompe o Presidente da República, Américo Tomás, na inauguração do edifício de Matemáticas da Universidade de Coimbra


No mesmo ano, Mariano Gago, então presidente da Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico e actual Ministro  da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, acusava de "reformistas" e pouco ambiciosos os pontos reivindicativos da Associação Académica de Coimbra...


(fotos: José Veloso)

Mudam-se os tempos, não se mudam as vontades



1993 - Protesto de estudantes do ensino superior contra as propinas e por melhor acção social



2010 - Protesto de estudantes do ensino superior contra as propinas e por melhor acção social


Notícia aqui, aqui ou aqui
Vídeo e comunicado aqui

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Lisboa é de todos



Conforme afirmam os promotores da iniciativa, pelo segundo ano consecutivo será possível viajar pelo mundo sem sair de Lisboa.

Durante quatro dias, de 16 a 19 de Setembro, a segunda edição do festival "Todos - Caminhada de Culturas" toma conta do Martim Moniz, da Mouraria, do Intendente e dos Anjos.

Numa celebração da multiculturalidade existente nesta zona da cidade, os eventos dispersam-se por diversos espaços, envolvendo moradores, associações locais, criadores culturais e todos os que nestes dias se lhes queiram juntar.

Da música de Aldina Durate ou da Kocani Orkestar, passando pelo circo Romanès - Paradis Tzigane e por lições de gastronomia, a programação é variada e inclui ainda literatura, dança, exposições, cinema e teatro.

A entrada é gratuita em todos os eventos e os detalhes da programação, incluindo horários e locais, poderão ser consultados em todoscaminhadadeculturas.blogspot.com

O convite está feito.

Nós vamos, e tu?

domingo, 12 de setembro de 2010

Entre a banalidade e as questões essenciais



Em mais uma acção de pré-campanha, mascarada do habitual "exercício de funções", Cavaco Silva assistiu a um desfile etnográfico em Ponte de Lima (sítio muito conveniente para candidatos de direita receberem banhos de multidão), beijou uma cruz, foi abençoado com água benta, recebeu oferendas e ainda teve tempo para pronunciar mais uma ou duas das suas habituais banalidades (desta vez sobre a identidade portuguesa e o mundo rural).


A afirmação de Manuel Alegre encerra em si algumas das questões essenciais da campanha para as próximas eleições presidenciais: a defesa da Constituição e do Estado Social. 
São estas as questões às quais Cavaco Silva não poderá fugir e sobre as quais terá de assumir uma posição.
São estas as questões que poderão forçar Cavaco Silva a uma segunda volta e que, eventualmente, decidirão a sua reeleição.


sábado, 11 de setembro de 2010

11 de Setembro




Manual de instruções para defender o indefensável


No mesmo dia em que foi realizada a entrega oficial do submarino Tridente, os militantes do CDS-PP receberam nas suas caixas de correio electrónico um mail assinado pelo presidente do partido, Paulo Portas, e pelo secretário-geral dos centristas, Lino Ramos, instigando a uma defesa pública da compra dos dois submarinos pelo Estado português. Em anexo seguiu um documento preparado pelo grupo de defesa do CDS, onde se liam pormenores das razões económicas, políticas e militares da compra. Um "argumentário" - utilizando o nome atribuído pelo partido ao documento - que Paulo Portas sugeria que fosse utilizado pelos militantes "nos locais de trabalho, aos amigos, nas participações cívicas", quando o tema da conversa fosse a necessidade de Portugal ter ou não equipamento militar desta natureza.

Paulo Portas bem pode construir os argumentários que quiser para defender o indefensável.
Pode enumerar o total de submarinos que outros países possuem, nomear alegadas razões militares e estratégicas,  invocar a extensão da  Zona Económica Exclusiva (ZEE) e até socorrer-se do estafado argumento da soberania nacional.

Nós, por outro lado, continuaremos a defender que as prioridades do país não são estas, a questionar a obscuridade do negócio (das contrapartidas aos financiamentos ilícitos) e a denunciar os mil milhões de euros que todos pagaremos pela aquisição das duas "latas submergíveis" que o CDS-PP considera fundamentais para os interesses nacionais.



(imagem: Bartoon, de Luís Afonso, in Público de 11 de Setembro)


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Cinematógrafo do Reviralhos # 1


Un Chien Andalou (1929)





Título: Un Chien Andalou (1929)

Realização: Luis Buñuel

Argumento: Luis Buñuel e Salvador Dali

Intérpretes: Simone Mareuil, Pierre Batcheff...

Duração: 16 minutos

domingo, 5 de setembro de 2010

Tributo aos cidadãos do mundo

Os cidadãos do mundo não são mais nem menos do que a IG Farben, a Bayer, a Renault, o BCP, a Fiat, a EDP, a Toyota, a Shell, a BP, a Nike, a Sonae, a McDonalds, a Microsoft ou a PT...

sábado, 4 de setembro de 2010

Concentrações contra as expulsões da comunidade cigana em França



Vamos demonstrar o nosso repúdio face às políticas securitárias, racistas e xenófobas de Sarkozy!

Hoje, às 15:30, concentrações contra as expulsões da comunidade cigana em França:

Lisboa - Embaixada de França (Rua de Santos-O-Velho, 5)

Porto- Consulado Francês (Av. Boavista, 1681 - em frente ao antigo Centro Comercial Dallas)

 

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Vamos!




Parafraseando as palavras de José Afonso, um conjunto de cidadãos sentiu-se obrigado a ir para a rua gritar. Desta necessidade de pensar e discutir colectivamente esta crise, e as suas falácias, nasceu a iniciativa "Vamos!".

O Manifesto da iniciativa, divulgado na passada segunda-feira, diz-nos ao que vêm e o que pretendem os seus subscritores:

Desemprego acima de 10%, precarização generalizada, cortes em todos os apoios sociais e nos serviços públicos, ataque ao subsídio de desemprego, aumento da pobreza...Pode-se viver assim? Como aceitar sempre mais sacrifícios para vivermos sempre pior? Como chegámos aqui?

Os banqueiros e os especuladores jogaram com o nosso dinheiro: crédito fácil, especulação imobiliária, fraudes de gestão. Quando ficaram a descoberto, em 2008, não gastaram nada de seu. Chamaram os Estados e, dos nossos impostos, receberam tudo quanto exigiram. Então deram o golpe: com o dinheiro recebido a juros baixos, compraram títulos da dívida pública, a dívida do mesmo Estado que os salvou. Agora, o Estado, para pagar os altíssimos juros dos títulos da sua dívida, vai buscar dinheiro aos bolsos de quem trabalha: mais impostos, menos salário, cortes de todo o tipo, privatizações...

Estamos perante uma gigantesca transferência de riqueza dos mais pobres para os mais ricos. Dentro de cada país. E dos países mais pobres da Europa para os países mais ricos - numa Europa submissa e agachada defronte dos mercados especuladores. Duas palavras enchem os nossos dias: "dificuldades" e "sacrifícios". São palavras para nos silenciar. Pois não nos calaremos. Não fomos nós, trabalhadores de toda a Europa, quem fez esta crise. Quem a fez foi quem nunca passa por "dificuldades" e recusa sempre quaisquer "sacrifícios". Foram os especuladores que nada produzem, os bancos que não pagam os impostos que devem, as fortunas imensas que não contribuem. Para eles, a crise é um novo e imenso negócio.






Para além do Manifesto, são já conhecidas as 4 iniciativas públicas que, durante 4 semanas, devolverão à rua o seu estatuto de espaço de debate político:

Dia 16 de Setembro
Acabar com a Pobreza + Justiça na redistribuição da riqueza

Dia 23 de Setembro
Democracia? Só com cidadania e bons serviços públicos

Dia 30 de Setembro
Outra economia com direitos no trabalho

Dia 7 de Outubro
Globalizar e garantir a paz e a solidariedade

Sendo uma iniciativa aberta a todos, os interessados poderão seguir os seus desenvolvimentos e obter mais pormenores em vamos2010.blogspot.com
 
 
Related Posts with Thumbnails